SHIFTING PERSPECTIVES

IMG_5839.JPG

turnê no brasil AGOSTO E OUTUBRO 2022
Turnê na europa JANEIRO DE 2023

Captura de Tela 2022-04-06 às 18.49.53.png

UM ENCONTRO DE
GRANDES AMIGOS

 

Marcelo Magalhães Pinto e Doug Stone foram colegas na prestigiosa Eastman School of Music, onde ambos cursaram cursos de pós-graduação em Jazz. No tempo em que residiram em Rochester, os dois participaram de várias atividades musicais dentro da academia e em atividades profissionais como, por exemplo, o Rochester Xerox International Jazz Festival.

em Shifting Perspectives a improvisação atua como ferramenta de expressão máxima na performance: é através dela que os músicos não só se expressam, mas também conversam entre si.

O projeto de gravação e a turnê

O projeto de gravação do CD foi concebido por Doug e Marcelo para ser um registro musical onde dois gêneros da música contemporânea – o Jazz e a Música Popular Brasileira- dividissem o mesmo espaço. Assim, as obras que foram compostas exclusivamente para esse projeto possuem características bem peculiares dos estilos nacionais dos compositores. Doug Stone, por exemplo, compôs músicas que abrangem o Bebop, Free Jazz, Modal Jazz e Latin Jazz. Já Marcelo Magalhães Pinto, compôs obras que passeiam por vários estilos do Brasil, tais como, o Congado de Minas Gerias, o Choro, o Baião, entre outros. Do ponto de vista musical, o resultado é extremamente interessante pois embora os compositores tenham feito obras com os estilos peculiares aos seus países (Brasil e Estados Unidos), há dois elementos comuns aos dois que unificam as obras: o tratamento harmônico e a improvisação.Há ainda uma composição do  baixista Quinn Sternberg.

Captura de Tela 2022-04-17 às 19.07.17.png

A Música

Um show de alta performance, que tem a improvisação como expressão máxima musical, onde o passado, o presente e as Culturas americana e brasileira se conectam através da harmonia.

Conheça Os Artistas

Como colaboradores do projeto, foi convidado o baterista André “Limão” Queiroz, professor da Escola de Música da UFMG – o qual foi colega do Marcelo durante o bacharelado que ambos fizeram na mesma escola – e o contrabaixista Quinn Sternberg, Quinn vem desenvolvendo uma frutuosa parceria com o Doug nos EUA . O  álbum foi gravado em Baton Rouge, LA, onde foram  feitas apresentações que promoveram não somente este trabalho, mas também a cultura e música brasileiras e americanas.

 

Marcelo Magalhães Pinto

IMG_5803_edited.jpg

Doutor em Jazz Piano pela prestigiosa Eastman School of Music (EUA) onde teve que estudar com grande afinco afim de conseguir ficar no nível exigido pela instituição. Ao mesmo tempo que estudava a música americana, fez grande divulgação da cultura brasileira, em especial da nossa música. Ao defender a dissertação The musical thought of Egberto Gismonti in 7 Anéis for piano, teve a oportunidade de mostrar para a comunidade acadêmica americana um pouco da história da música brasileira, com enfoque no Choro e no compositor pátrio Egberto Gismonti. O esforço não foi em vão. No final do curso, foi o primeiro aluno da instituição a ganhar o prêmio Marian McPartland em reconhecimento pelo excelente trabalho acadêmico e pelo serviços prestados à universidade.

Sua experiência internacional ainda inclui estudos e trabalhos realizados na França, tais como o concerto junto à Orquestra Sinfônica da UNESCO (performance em Paris no encerramento do ano do Brasil na França) e no Conservatoire National de Région de Nice.

 

Seus trabalhos acadêmicos ainda incluem um mestrado e publicações em importantes revistas especializadas como a Per Musi (Brasil) e Ars Inter Culturas (Polônia).

Doug Stone

IMG_5798.JPG

A carreira de Doug Stone envolve trabalhos com turnês, primeiramente com o grande trompetista Maynard Ferguson, a Big Bop Nouveau, “World-Jazz Panoramic e com grupos de Chicago. Suas viagens o levaram a todos os cantos dos EUA, bem como da Ásia, Europa, Caribe e o Canada. Como membro de grupos musicais da Universidade de Illinois, Stone teve a oportunidade de tocar com Frank Foster, Benny Golson, Frank Wess, Jimmy Heath, Rufus Reid, Larry Ridley e Carl Allen. Como membro da Birch Creek Academy, tocou com Dennis Mackrel, Harold Jones, Derrick Gardner, Tanya Darby entre outros. Participou de inúmeras gravações de artistas como Sam Craine Quartet, Dave Hoffman,  Jazz Arranging Syndicate, Birch Creek Academy Big Band, Ed Breazeale Group, Ji Young Lee Quartet, Stuart Mindeman Group, Ian Torres Big Band, John Burnett Orchestra, Panoramic, Quintopus, Rick Holland Little Big Band, Rich Thompson Quartet e Trio, Westview Project, John Nyerges Quintet, Bob DiBaudo ensemble, Eric Schmitz Sextet e Tom Marko. Stone fez 4 gravações como co-bandleader: DougStone/Josiah Williams “The Early Riser”, Stone/Ziemba Duo “In the Zone”, Nick Fryer/Doug Stone “Quartet”e The Stone/Bratt Big Band “SBBB”.

 

Publicou arranjos e composições próprias pela Kendor Music, as quais tem sido tocadas em diversas universidades dos EUA.

Sua experiência internacional ainda inclui estudos e trabalhos realizados na França, tais como o concerto junto à Orquestra Sinfônica da UNESCO (performance em Paris no encerramento do ano do Brasil na França) e no Conservatoire National de Région de Nice.

 

Seus trabalhos acadêmicos ainda incluem um mestrado e publicações em importantes revistas especializadas como a Per Musi (Brasil) e Ars Inter Culturas (Polônia).

Em 2009 ingressou na Eastman School of Music onde obteve o titulo de Mestre em Jazz performance e Jazz Education. Em Rochester, tocou com Dave Rivello Emsemble, Westview Project, Gap Mangione Big Band, Quintopus, John Nyerges Duo e Quartet, Jeff Campbell, Rich Thompson entre outros. Em Rochester, trabalhou com grande músicos tais como George Caldwell, Bobby Militello, Harold Danko, Gene Bertoncini, Bill Dobbins, Mark Ferber, Ike Sturm, Charles Pillow, Allen Vizzutti e Mambo Kings.

 

Atualmente, Stone ocupa agora o cargo de Professor Assistente na Louisiana State Universtiy.

André "Limão" Queiroz

IMG_5799.JPG

Filho e neto de trompetistas, André “Limão” Queiroz iniciou aos seis anos de idade sua formação musical com seu Pai, tendo como seu primeiro instrumento o trompete . Aos nove anos começou a tocar percussão e aos quatorze abraçou definitivamente a bateria e deu inicio à sua carreira profissional.

 

Mestre em Performance pela Escola de Música da UFMG, onde se formou Bacharel e estudou Percussão Contemporânea e Popular com o Professor Fernando Rocha e aprofundou seu conhecimento em percussão, técnicas e estudos sobre arranjo, harmonia e orquestração.

 

André também participou de relevantes clínicas, aulas e workshops de bateria e percussão, ministrados por músicos renomados em todo Brasil e no mundo, tais como: Esdras “Neném” Ferreira, Lincoln Cheib, Márcio Bahia, Robertinho Silva, José Eduardo Nazário, Laércio Vilar, Oscar Bolão, Chick Corea, Eduardo Espassande, Grupo UAKTI, Billy Cobam, Dave Weckl, Horácio Hernandez, Ron Carter, Kiko Freitas, Hands On Semble, Adam Rudolph, Brad Duts, Mestre Walter do Maracatú Estrela Brilhante, Lenis Rino, Fernando Rocha, Bil Lucas, Santiago Reyther, Nate Smith, Ari Hoenig e outros.

 

Desde 1985, André vem atuando em estúdios e palcos, do Brasil e do mundo, com grandes representantes da nossa música, tais como: Milton Nascimento, Lô Borges, Samuel Rosa, Chico Amaral, Nivaldo Ornelas, Juarez Moreira, Toninho Horta, Roberto Menescal, Celso Moreira, Chiquito Braga, Telo Borges, Cleber Alves, Maria Shneider (EUA), Fredera, Thiago Delegado, Guilherme Monteiro, Alberto Continentino, Stephan Kurmann (Suíça), Cliff Korman (EUA), Rudiberger (Áustria), Enzo Favata (Itália), Daniele di Bonaventura (Itália), Simon Spang ( Dinamarca) , Thomas Rotter (Alemanha), Jonathan Crayford (Nova Zeândia), Ted Piltzecker (EUA), Chris Stover (EUA), Marina Machado, Mauro Rodrigues, Lucas Teles, Ivan Correia, Milton Ramos, Aloísio Horta, Adriano Campagnani, Kiko Klaus, Continentrio, Wilson Lopes, Beto Lopes, Titane, Maurício Tizumba, Ségio Galvão, Sagrado Coração da terra, Renato Mota, Marku Ribas, Arthur Maia, Enéias Xavier, Magno Alexandre, Felipe Vilas Boas, Fred Selva, Gustavo Figueiredo, Matheus Barbosa, Alda Resende, Marcos Resende, Robertinho Brant e muitos outros…

Quinn Sternberg

IMG_5800.JPG

Desde 1985, André vem atuando em estúdios e palcos, do Brasil e do mundo, com grandes representantes da nossa música, tais como: Milton Nascimento, Lô Borges, Samuel Rosa, Chico Amaral, Nivaldo Ornelas, Juarez Moreira, Toninho Horta, Roberto Menescal, Celso Moreira, Chiquito Braga, Telo Borges, Cleber Alves, Maria Shneider (EUA), Fredera, Thiago Delegado, Guilherme Monteiro, Alberto Continentino, Stephan Kurmann (Suíça), Cliff Korman (EUA), Rudiberger (Áustria), Enzo Favata (Itália), Daniele di Bonaventura (Itália), Simon Spang ( Dinamarca) , Thomas Rotter (Alemanha), Jonathan Crayford (Nova Zeândia), Ted Piltzecker (EUA), Chris Stover (EUA), Marina Machado, Mauro Rodrigues, Lucas Teles, Ivan Correia, Milton Ramos, Aloísio Horta, Adriano Campagnani, Kiko Klaus, Continentrio, Wilson Lopes, Beto Lopes, Titane, Maurício Tizumba, Ségio Galvão, Sagrado Coração da terra, Renato Mota, Marku Ribas, Arthur Maia, Enéias Xavier, Magno Alexandre, Felipe Vilas Boas, Fred Selva, Gustavo Figueiredo, Matheus Barbosa, Alda Resende, Marcos Resende, Robertinho Brant e muitos outros…

O Selo

O álbum será lançado pela Ears & Eyes Records.

Captura de Tela 2022-04-19 às 19.59.54.png